sexológica

orgasmo masculino

         No orgasmo de uma relação peniano-vaginal sem preservativo, os espermatozoides se encontram com os líquidos orgásticos femininos, no fundo da vagina. Alguns espermatozoides, em melhores condições, conseguem sobreviver aos líquidos vaginais e partir para o útero, em direção às trompas. Um deles, apenas, normalmente, tem capacidade para fecundar o gameta feminino e, desse modo, garantir a continuidade e a evolução da espécie.
         Os espermatozoides que permanecem no fundo da vagina são decompostos pelos líquidos orgásticos femininos. Dessa decomposição, nasce o gás cromossômico. Logicamente, pois os espermatozoides carregam especialmente os cromossomos do código genético masculino.
         Esse gás é absorvido pelo sangue que se encontra na glande e nas paredes da vagina, e é usado na recomposição fisiológica com células matrizes, as responsáveis pela manutenção do organismo e pela produção dos gametas. Assim, o gás cromossômico assegura a recomposição e o aperfeiçoamento dos indivíduos, melhorando a qualidade de vida e retardando o envelhecimento.
         Os líquidos orgásticos masculinos, portanto, têm uma missão a cumprir: levar ao fundo de uma vagina os seus espermatozoides, com a finalidade de promover a sobrevivência e o aperfeiçoamento dos parceiros e da espécie. Os gametas masculinos que morrem no saco vaginal são aproveitados na produção do gás cromossômico e os sobreviventes são atraídos pelo óvulo para a fecundação.
         A missão dos líquidos seminais dos homens parece ser suficiente para nos dar uma ideia da importância do orgasmo masculino. Um prazer tão intenso não podia ser por menos. Nos instantes de aquecimento, ejaculação e relaxamento, todo o corpo se envolve, como se esse fosse o seu objetivo final, para que os resultados sejam dos melhores.
 
         Os homens sentem mais prazer que as mulheres?
         Nestes tempos masculinos, sim, mas potencialmente, não. Apesar da autoconfiança que as mulheres conquistaram a partir da segunda metade do século vinte, os homens, em geral, ainda gozam com mais facilidade e intensidade. Contudo, trata-se de uma questão cultural, pois o potencial feminino para o orgasmo não é menor que o masculino. Tanto os homens quanto as mulheres estão completamente aparelhados sexualmente para a reprodução e a recomposição fisiológica e têm à sua disposição as glândulas e os hormônios adequados ao funcionamento de suas genitálias.
         Convém lembrar que o tamanho e a intensidade do orgasmo dependem fundamentalmente da liberdade que o homem ou a mulher se atribui durante a relação sexual. Quem transa sem preocupações tem melhores chances de aumentar o seu prazer. As mulheres estão conseguindo superar milênios de repressão e, naturalmente, logo estarão tão livres para o orgasmo quanto a maioria dos homens.
 
         Os homens gostam mais de sexo que as mulheres?
         Como os homens conhecem o orgasmo mais e melhor que as mulheres, é natural que eles gostem mais de sexo. O processo de civilização foi radicalmente paternalista e machista, portanto, nos últimos três mil anos, os homens amaldiçoaram o orgasmo feminino. E elas, para não arriscar o sustento e a educação dos filhos, permitiram a predominância dos interesses masculinos.
         Os direitos culturais que os homens atribuíram a si mesmos deram-lhes a oportunidade de imaginar e realizar as mais absurdas fantasias sexuais. Puderam conhecer todas as possibilidades de prazer, e também seus limites. Adquiriram uma convicção bastante forte para gozar a partir da primeira relação e enquanto houver espermatozoides nos testículos. Já as mulheres, em geral, ainda não sabem muito a respeito das suas possibilidades sexuais. Naturalmente, ainda não gostam de sexo tanto quanto os homens.
 
         O orgasmo masculino é diferente do feminino?
         Eles acontecem como resultados de dinâmicas diferentes, mas as propriedades dos orgasmos masculinos e femininos são as mesmas. Enquanto os orgasmos das mulheres ocorrem no esgotamento da contratilidade e na predominância da gravidade geral das células femininas; os orgasmos dos homens acontecem no abrandamento da distratilidade e na preponderância da gravidade nuclear das células masculinas.
         O prazer, no entanto, é igual, uma vez que os orgasmos se realizam no estabelecimento de um ciclo. As células – masculinas e femininas – usam toda a sua força, conseguem a ejaculação e, em seguida, recuam para começar tudo outra vez. A natureza fez com que as dinâmicas fossem diferentes, em direções contrárias e equivalentes, para que os corpos pudessem se completar, um atendendo aos interesses do outro e também às necessidades comuns.