tocaia

teus olhos predadores resolvem a mira
e se encaminham regalados
ziguezagueando dos meus receios
entrincheiro-me nalgumas virtudes e espero
ensinaram-me a não me arriscar com as presas
determinam caminhos que só lhes interessam
os caçadores dissimulam seu caráter
mas expõem suas misérias
alimento-me delas
por favor, não me prives de tuas fraquezas
prossegue!
estou aguardando teus risos certos de vitórias
bailando entre dentes
numa feira de vaidades e mentiras
explora-me que exploro meu explorador
devora-me e te decifro
deixa-me ler teu futuro em tuas marcas
teus segredos em tuas pernas
que se cruzam enquanto avanças
abusando da humildade que ainda mora em mim
pelo amor de Deus, não me poupes!
não me interessa tua piedade
não tenho medo dos teus estragos
as paixões que se agonizem
as dores que se machuquem
por que viver se não for pra valer?